9 de novembro de 2017

Resenha: É melhor não saber – Chevy Stevens.

em 9 de novembro de 2017

7 comentários
Título: É melhor não saber.
Autor: Chevy Stevens.
Editora: Arqueiro.
ISBN-13: 9788580411218.
ISBN-10: 8580411211.
Ano: 2013. 
Páginas: 320. 
Idioma: Português.
Gênero: Thriller psicológico, Policial.
Encontre no Skoob.
Compre: aqui

Sinopse: Sara Gallagher nunca sentiu que pertencesse de verdade à sua família de criação. Embora sua mãe seja amorosa e gentil e ela se dê bem com sua irmã Lauren, a relação com o pai e a irmã caçula, Melanie, sempre foi complicada.

Às vésperas de se casar, Sara decide que está pronta para investigar o passado e descobrir suas origens. Mas a verdade é muito mais aterrorizante do que ela poderia imaginar. Sara é fruto de um estupro, filha do Assassino do Acampamento, um famoso serial killer.

Toda a sua paz acaba quando essa história é divulgada na internet e o pai que ela anteriormente queria conhecer resolve entrar em sua vida de forma avassaladora. Eufórico com a descoberta de que tem uma filha, John vê nela sua única chance de redenção. E, para criar um vínculo com Sara, ele está disposto a tudo, até a voltar a matar.

Ao mesmo tempo, a polícia acredita que essa é sua única chance de prender o assassino e resolve usá-la como isca. Então Sara se vê numa caçada alucinante, lutando para preservar sua vida e a de sua filha.

É melhor não saber é um complexo retrato de uma mulher tentando entender suas origens. Uma história cheia de reviravoltas, na qual ninguém é completamente bom ou mau.


 

Boa noite galera, aqui quem fala é o Júlio, e essa semana tem resenha de livro bom (Esse meu ano literário foi incrível, vocês não fazem ideia!). Bem, vamos ao drama vivido por Sara Gallagher que afeta o leitor de diversas formas. Investigar o passado ajuda a entender certas coisas, certas características nas pessoas, mas no caso dela foi algo aterrorizante. Descobrir em que circunstâncias foi concebida abalou muito a mente de Sara, fazendo-a tornar-se paranoica. Ela passa a investigar casos e mais casos a fundo para entender como funciona a mente criminosa, e tentar descobrir o paradeiro de seu pai biológico. 

Essa "paranoia" é um detalhe bem importante no livro, devido ao fato de começar a incomodar todos ao redor dela, chegando a ameaçar até seu casamento. Evan foi extremamente paciente com a  noiva durante todo o livro, e o leitor acaba sentindo isso, que não foi fácil para eles suportarem essa questão.

Para completar, Sara não tem um bom relacionamento com algumas pessoas de sua família adotiva, gerando mais atritos e desconfianças. Ela também acaba ficando muito próxima do policial que a está ajudando no caso, o que deixa Evan bem apreensivo. As ligações de John se tornam frequentes e cada vez mais reveladoras. 

John é um personagem bem estranho. Ele quer saber tudo sobre a vida de Sara, de sua neta, mesmo tendo feito tudo que fez no passado, ele acaba se  mostrando uma figura paterna, embora bem inusitada. A característica principal do personagem se reflete na protagonista, ele é explosivo e não aceita de forma alguma ser contrariado durante as ligações, perdendo a paciência rapidamente e deixando Sara desesperada, pois ele pode matar mais alguém.

Essas ligações são importantes na investigação, portanto, Sara faz de tudo para que sejam longas e produtivas, mesmo correndo um alto risco. A mãe biológica de Sara aparece pouco no livro, mas as reações dela perante a filha são pesadas. Devido ao acontecido, ela age como se tivesse nojo de Sara, querendo ficar o mais longe possível dela, com medo de que o assassino do acampamento retorne para terminar o serviço. 

A narrativa do livro se torna frenética após o aparecimento de John, pois tudo passa a girar em torno das ligações e na forma de encontrá-lo. A leitura flui depressa, é difícil parar de virar as páginas, o enredo prende a atenção do leitor até seu final. Ah, o final, uma reviravolta incrível e inesperada que só melhorou o que já estava bom.

A edição da Arqueiro está bem legal, a capa dá um tom sombrio ao livro, mostrando o campo de ação do assassino, em meio às árvores, como um caçador. O livro possui páginas amareladas e uma fonte de bom tamanho, não lembro de ter encontrado erros durante a leitura.

Em minha opinião, um dos melhores que li esse ano, uma leitura recomendadíssima para fãs do gênero policial, garanto que não vão se arrepender. Vou ficando por aqui, espero que tenham curtido a indicação dessa semana, deixem aí nos comentários a opinião de vocês, se já leram ou se gostam do gênero. Até a próxima semana!



Classificação

7 comentários :

  1. Puxa, não conhecia o livro,mas foi possível sentir a agonia até na resenha. Fiquei me perguntando o que faria em uma situação destas..tendo a vida toda certinha e do nada, descobrir que tudo até li era baseado em algo tão cruel e avassalador.
    E que este passado se torna presente, trazendo sentimentos desconhecidos e claro, muito perigo!
    Vai para a listinha de desejados, com certeza!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá, obrigada por me apresentar a esse livro! Achei a premissa super original e fiquei curiosíssima para lê-lo e descobrir se John cometerá mais crimes e o que serpa de Sara.

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Toda vez que vejo resenha desse livro penso porque ela foi procurar as coisas do passado. Mas acho que o livro deve ser bom, é essa sinopse que não ajuda mesmo rs

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  4. Oi Júlio!!!
    Que mata que seu ano só teve leitura top!!! Não conhecia o livro, mas adorei a premissa, cada vez mais venho aumentado minha lista de leituras policiais e esse vai pra lista com certeza!!! Não sei se você já leu Entre quatro paredes, mas acho que vc vai gostar dele.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  5. Oi, Júlio!
    Minha irmã leu esse livro e não curtiu muito. Confesso que fiquei meio receosa de ler. rsrs... Mas você me conquistou na resenha! Vou dar uma chance! Gosto de livros policiais.
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Júlio César, como está?
    ADOREI a proposta desse livro e a tua resenha me deixou ainda mais interessada por ele! Nem imagino o tamanho da angústia da personagem ao descobrir as próprias origens que não são nada bonitas. É agoniante pensar que ela tem de servir de isca para capturar esse monstro!
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá! Fiz essa leitura no ano passado e concordo com você em quase tudo! Achei bem interessante a "paranoia" criada na trama, que realmente quase colocou o casamento de Sara a perder. Realmente a polêmica envolvida no livro (de todo o caso, além da família adotiva) torna a leitura bastante fluida, pois você não consegue parar de ler! A questão da mãe de Sara acho que tem a ver com rejeição à filha pelas condições por que ela passou. Achei o final muito bom, exceto por um ponto que considerei extremamente forçado: o envolvimento do policial que se mostrava bonzinho! Tipo: Ela não precisava de mais nada ser tão ruim na sua vida. Mas em fim... também achei uma boa leitura.
    Beijos!
    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^



TOPO