29 de agosto de 2017

Resenha: Guardião – Neblina e Escuridão #02.

em 29 de agosto de 2017

4 comentários
Título: Guardião.
Série: Neblina e Escuridão.
Livro: 02.
Autora: Mari Scotti.
ISBN-13: 9788542806212.
ISBN-10: 8542806212.
Ano: 2015. 
Páginas: 366.
Idioma: Português.
Editora: Novo Século.
Gênero: Romance, Fantasia, Literatura Brasileira.
Encontre no Skoob.
Compre: aqui.
Cortesia / Autora parceira LT 2017.

Sinopse: Ellene finalmente enfrenta o homem de seus pesadelos e descobre que os dois têm mais em comum do que esperava. Ao mesmo tempo, o Guardião Milosh, determinado a recuperar sua rainha e a segurança de seu reino, se vê sozinho ao deparar-se com traições e precisa confiar em seu inimigo para continuar a busca por respostas. 
Unidos pelo passado, Milosh e Ellene são surpreendidos por um sentimento poderoso, impossível e inesquecível. A determinação deles será colocada à prova, bem como a lealdade à raça. E lhes resta apenas a coragem ao se deparar com as revelações que os aguardam. No segundo livro da destacada série Neblina e Escuridão, amor e consciência não deveriam seguir o mesmo caminho.


“A morte também não era documentada, apenas lembrada por todos...”

Ok, vamos lá! O que dizer sobre Guardião? Sendo honesta com vocês? Ainda não estou lidando bem com esse livro, e por esse motivo está sendo difícil escrever sobre. 

O enredo continua a se passar em São Paulo, e isso é ótimo, porque nos facilita na questão da nossa imaginação. Ambientado sem exageros ou grandes destaques, Mari Scotti consegue fazer com que nos sintamos em casa durante a leitura, e isso é muito agradável.

A história consiste em uma híbrida, que descobre o que realmente é e segue na busca, desde o primeiro volume – leia a resenha aqui – da verdade e de aceitação, do seu real lugar no mundo. Onde ela e todos a sua volta vão se deparar com muitas dúvidas, medo, confusões, traições, amores, desamores, magias e mistérios a serem revelados relacionados à sua origem e ao sequestro da Rainha dos vampiros.

Existe toda uma sociedade que vive em meio aos humanos de forma misteriosa. Eles são organizados, tanto os vampiros quanto os lobisomens. Cada espécie tendo as suas próprias regras e devendo segui-las para que a paz possa continuar reinando, não só entre eles, mas na terra e para todos os humanos que, em sua maioria – exceto pequenas exceções – desconhecem a existência desses seres. 

Heidy é uma inimiga da Rainha, a qual uniu-se a Milosh, no intuito de ajuda-lo a protelar a coroação de um novo Rei ou Rainha, para que o Guardião tenha tempo de localizar Elizabeth e trazê-la de volta ao seu lugar de direito, o trono. Ela sempre foi apaixonada por Milosh, e tem desavenças com a Rainha. Heidy foi à mentora de Elizabeth, em um passado a muito distante, mas seus erros e seus ciúmes – por Milosh ter tornado-se o companheiro da Rainha – fez com que as duas se distanciassem. Ela é arrogante, intensa, sensual, ardilosa, perigosa, poderosa, uma personagem bem construída e sobre a qual você fica dividida, e ainda assim, uma pessoa importante na vida dos dois e por quem Milosh ainda nutre sentimentos sinceros. Será que ela realmente o está ajudando pelos sentimentos que sempre nutriu por ele, e quem sabe pela velha amizade que prevaleceu entre ela e a Rainha um dia? Ou existe algo a mais escondida nessa boa vontade? São perguntas que todos se fazem e que nos deixam sempre alertas a sua presença. É uma personagem que promete muito!

Ellene descobriu parte de sua origem, o que é e segue nesse caminho para decifrar o que lhe falta saber. A menina está mais ativa e menos irritante nesse volume, apesar disso, seguiu sendo a personagem que menos me cativava, até chegarmos ao fim e ela despertar a minha simpatia. Não, isso não tira nem sequer um pouco do brilho da história, e apesar de não me ter "apegado" tanto a essa personagem, criei laços de carinho com outros que são secundários ao decorrer da leitura – digamos assim –, mas que estão tão presentes na história quanto os protagonistas. 

Milosh continua centrado na busca pela Rainha, envolto nos mistérios do passado, se envolvendo cada vez mais na trama que levou Ellene ao seu caminho. Ele precisa de respostas, quer entender como suas suspeitas podem ser reais e o que realmente Ellene tem em relação à Elizabeth. Seria realmente possível a Rainha ser a mãe da hibrida? Momentos vivenciados antes do sequestro, que levou sua esposa para longe, há quase cem anos, o faz questionar tantas coisas e deixa-o a beira de uma sincope. 

Um sentimento começa a existir entre Milosh e Ellene, um que eles não conseguem identificar exatamente do que se trata – lentos , mas nos deixa mais próximo dos dois personagens a cada virar de página. A gente passa a torcer para que tudo de certo, e a autora nos conduz de forma alucinante pelas linhas, nos cativando e prendendo nesse volume que é uma grande transição para tudo o que lobos e vampiros acreditavam ter de concreto em suas crenças. 

Em meio a traições que vão sendo descobertas e sem saber mais em quem pode confiar, Milosh se vê obrigado a aceitar a mão que lhe é estendia de onde menos esperava, vindo de um inimigo antigo. E agora, confiar ou não? Sem saber o que esperar a cada passo dado, não só os personagens, mas também o leitor, e isso vale tanto para os mocinhos quanto para os vilões, a gente segue criando teorias e tentando desvendar qual é o próximo passo a ser dado e de onde virá à próxima rasteira. 

Gostei muito desse livro. Os lobos estão muito presentes e é delicioso acompanhá-los. Ellene vem evoluindo, Milosh está um pouco diferente e nos deixa sentir tudo o que se passa em sua mente, alma e coração. Carol – a ex-namorada do Tom – é uma personagem que me conquistou e muito, que passa a ter grande destaque e se prova uma pessoa maravilhosa. Jacó, o líder dos lobos e irmão mais velho de Ellene, é um personagem encantador (que vontade de colocar em um potinho e trazer para casa <3). Ah, gente, se já estou a shippar Carol e Jacó? Oxi, com certeza estou! Rezando para que eles possam realmente vir a ser um casal, mas, dona Scotti é malvada, às vezes, então estou tentando não exagerar nas minhas expectativas – risos. Não quero falar do Tom – vou bater nele -_- –, e me nego a pensar no Conde, nesse momento – risos. 

Com bastante ação, contando também com descobertas que nos apontam para determinados lados e que, ainda assim, às vezes não são tão claras, Mari consegue fazer a gente querer ler sem parar e desejar se jogar na continuação a seguir

Se Heidy é vilã ou mocinha? Se os lobos estão aprontando algo ou se estenderam as mãos verdadeiramente aos vampiros do reinado de Elizabeth ou não? Quais traições são descobertas? Se conseguem ou não localizar a Rainha? E qual o verdadeiro sentimento que vem surgindo entre Ellene e Milosh? Qual a extensão do poder dos renegados e o tamanho se sua audácia? Hã... Descubra lendo!

O livro termina de um modo cheio de dor e adrenalina (Ainda não perdoei a falta de coração da dona Mari Scotti, mas vou continuar lendo – risos.), com promessas de que tudo será resolvido e revelado. Um final que nos deixa com raiva e com vontade de estapear alguns personagens, dos quais não quero mencionar nomes para não deixar spoilers. Posso dizer que senti raiva de muitos personagens, muitos mesmo, ao decorrer do enredo, o tempo todo, e que isso foi bom – haha.

Confesso que tenho uma teoria sobre a origem de Ellene, a qual não tenho plena convicção de se estou certa ou não, no entanto, que venha o próximo volume para que eu possa descobrir.

Mari Scotti tem uma escrita deliciosa, e é cuidadosa com os termos que usa, o que não deixa a leitura cansativa, muito pelo contrario, fica extramente fluída. Sobre a edição, não posso falar muito, apenas que a capa é linda e mantém o padrão da segunda edição do primeiro volume. A Novo Século pecou um pouco na revisão da obra, mas nada que atrapalhe o desenrolar do enredo ou da leitura.

Terminamos o livro com muitas questões abertas, propositalmente, é claro. Portanto, que venha o volume final dessa história que me conquistou a seu modo e que fez tantas referências, em sua construção, a histórias contemporâneas que adoro, me senti em casa. Para as pessoas que ficam comparando elementos e subterfúgios utilizados pela autora, o que tenho a lhes dizer é: É maravilhoso se sentir em casa na leitura.

Se indico? Claro! Para todos que curtem leituras com vampiros, lobos, amores, segredos, desavenças; etc. Não são vampiros clássicos, mas também não são fadas com presas – não me entendam mal, sou apaixonada por ambas as variações.

Classificação:

Até!



Confira as demais resenhas da Série Neblina e Escuridão clicando nos títulos:

1.     Híbrida.
2.     Guardião.
3.     Rainha.

4 comentários :

  1. Olá! Não curto tanto esses livros com muita fantasia e magia, personagens híbridos, etc. Então, dificilmente eu leria a obra. Mas achei legal que você tenha gostado tanto e que sua falta de identificação com a personagem, que não te cativou, não tenha tirado o brilho da história em sua leitura.
    Beijos!
    Karla Samira
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tudo bom?
    Eu não conhecia o livro, mas tenho que dizer que o gênero literário que mais amo é fantasia, adoro esse tipo de livro, e fiquei mega interessada nesse.
    Beijos, Joyce de Freitas.

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana! Gosto bastante da escrita da Mari! Fiquei louca para ler esse livro, parece ser bem intenso e deixa o leitor doido! Fiquei super curiosa para conhecer toda a trama, beijos!

    ResponderExcluir
  4. Parece ser um livro muito bem escrito.
    Na verdade, muito bem escrita está a sua resenha. Parabéns!
    A história me pareceu bem densa e cheia de detalhes.
    Gosto de livros assim. Que a gente fica tentando imaginar como a escritora pôde viajar tanto na imaginação. rs
    Adorei a dica! Beijinhos!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^



TOPO