Autores Livros Entrevistas Filmes Games HQ's Mangás Wattpad Sagas Seriados

25 de outubro de 2017

Resenha: It, A Coisa – Stephen King.

Título: It, A Coisa.
Autor: Stephen King.
Editora: Suma de Letras.
Gênero: Suspense, Terror, Ficção, Literatura estrangeira.
Páginas: 1102.
Ano: 2017.
Idioma: Português.
ISBN: 978 8560280940.
Encontre no Skoob.
Compre: aqui.

Sinopse: Durante as férias escolares de 1958, em Derry, pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e... do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar. Uma nova onda de terror tomou a pequena cidade. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir forças novamente. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. O tempo é curto, mas somente eles podem vencer a Coisa. Em 'It - A Coisa', clássico de Stephen King em nova edição, os amigos irão até o fim, mesmo que isso signifique ultrapassar os próprios limites.


Olá! Doces ou travessuras? Desejo ambos para vocês! Mas, vamos lá...
Vou começar com uma palavra para descrever “It”: Sensacional!

Sabe aquele livro que você pega, que é extremamente grosso, e você pensa: Será que vou dar conta? Haha! É o caso, mas a gente dá conta sim, porque se você for como eu, é curiosa – risos.

Tudo começa com a história de sete amigos, que depois do assassinato de George – irmão de Bill –, e de mais algumas crianças, se uniram para tentar matar “a Coisa” e nisso muita história, história mesmo, nada de enrolação, rola.

Nessa aventura, eles aprenderam o significado do amor, da confiança, da amizade e do medo. Fizeram um pacto de voltar à cidade de Derry se “a Coisa” voltasse há atacar algum dia.

Quando eram crianças, todos eles sofriam com preconceitos. Bill Benbrough era gago, Ben Hanscon gordinho, Stan Uris judeu, Eddie Kaspbrak doente, Beverly Rogan a sem vergonha, Mike Hanlon o negro e Richie Tozier o que não tinha trava na língua – o desbocado. 

Passaram-se vinte e sete anos, e por conta do pacto feito lá na infância, essa turma toda teve que voltar a Derry, pois os incidentes recomeçaram.

O livro se intercala entre passado e presente, então nos mostra a vida adulta de cada um, suas conquistas. Todos dessa turma, que saíram da cidade, tornaram-se bem sucedidos financeiramente. No entanto, um deles ficou para trás, Mike Hanson era o bibliotecário da cidade de Derry, e foi ele que ligou para todos, avisando sobre o retorno da “coisa” à cidade.

Um fato interessante é o de que, até Mike telefonar para cada um, nenhum deles se lembrava do passado. Foi como se nunca tivesse existido, aos poucos, um a um, foram lembrando-se da fatalidade e daquilo com o que se comprometeram, e então voltaram à cidade.

A Coisa deixou suas marcas em nós. Impôs sua vontade em nós, assim como fez com toda a cidade, dia após dia, mesmo durante os longos períodos em que dorme, hiberna, ou seja, lá o que a Coisa faz nos intervalos dos períodos mais movimentados.

O livro tem muitas páginas, mas não fica cansativo, pois o mistério que é envolve toda a história da cidade de Derry é muito interessante! Os acontecimentos que são desvendados, a cidade, o clima pesado e sombrio, é tudo ligado ao aparecimento da Coisa, mexendo com o psicológico de todos. A maior arma que a Coisa tem e o que usa contra todos é o medo, quem não tem medo de algo? Pois é!

“A Coisa” assassinava principalmente crianças, tenho uma opinião pessoal sobre isso, à de que crianças são mais acessíveis emocionalmente, são mais fácies de projetar coisas na cabeça e mais inocentes também, bem como suscetíveis a serem ludibriadas pelo medo, e que por isso são as vitimas preferidas do palhaço – não que adultos não sintam medo, longe disso.

O enredo aborda muito sobre animais, que atacam, o emocional está sempre à flor da pele, é como se os personagens vivessem em um constante círculo de acontecimentos ruins que para os moradores da cidade começava a ser normal – é uma completa loucura, eu sei!

E ali estava o palhaço ao fundo, usando a roupa prateada com os botões laranja, congelado na matriz de pontos que compunha a foto granulada do jornal.

Todavia, algo interessante surgiu: os amigos continuam vivos, pois os laços desenvolvidos entre eles se mantém e tornou possível para eles a busca por vencerem o mal. Mas, o que, de fato, é o mal? As cosias não são tão simples, tem outro problema, agora eles não são mais crianças...

Em minha opinião, a história trata-se mais de um suspense do que de terror propriamente. Você tem todos os tipos de sentimentos despertados durante a leitura. Os detalhes que King descreve sobre os personagens não deixa margem a nenhuma pergunta, as frustrações deles, o tipo de relacionamento que tem, o vínculo que os uni. O saber o que está por vir deixa todos apavorados, apreensivos, e para ajudar, eles passam a escutar uma ameaçadora voz em suas cabeças, a questão é? Por quê?

“Por que nos chamar de volta? Por que não nos deixar morrer?”
“Por que quase matamos a Coisa, porque botamos medo na Coisa, eu acho. Porque a Coisa quer vingança. Voltem, vamos terminar nosso assunto em Derry.”

Nas últimas duzentas páginas, mais ou menos, o autor deixa o suspense ainda mais intenso, o que faz seu coração bater mais rápido, não sei se é por conta da adrenalina ou da ansiedade de querer saber o que vai acontecer logo.

A história em si, confesso, deixa-me questionado: uma criança conseguiria passar por tudo isso, ou só na ficção mesmo? Uma história de arrepiar os cabelos e nos fazer olhar tanto o medo, quanto os palhaços, com outros olhos – risos.

Para minha pessoa, foi um desafio ler “It”, pois livros e filmes de terror e suspense, por incrível que pareça, me faz dar muitas risadas. Sim, meu medo me faz rir, e com isso a gente acaba rindo em momentos impróprios, às vezes. Também por causa da quantidade de páginas. Meu livro está cheio de marcadores, marquei quase todas as páginas, porque eram partes que considerei importantes na história, e por ser uma história tão longa ajuda para não perder o fio da meada – risos.

A capa do livro é bem sugestiva ao que está por dentro do livro, as páginas são amareladas e o tamanho da fonte é confortável para leitura. O livro é narrado na terceira pessoa, não encontrei erros de nenhum aspecto, é um suspense e um mistério de tirar o fôlego. Stephen King está de parabéns, ele é realmente um mestre no que faz.

Se recomendo a leitura de “It, A coisa”? Claro, para toda e qualquer pessoa que queria se desafiar. Este é um livro muito inteligente, e apesar de ter visto muitas criticas ao seu fechamento, confesso que o considerei satisfatório para aquilo que a história se propõe. Os verdadeiros monstros, quem são? É de se refletir. Um livro para tirar qualquer pessoa da zona de conforto literária, mas que vale, e muito, a pena conferir! E sobre quem vence ou como é o encerramento? Oras, descubra lendo!

De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine, onde escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman). King ensinou na Academia Hampden em HampdenMaine. Ele e sua família moravam em um trailer, e ele escreveu histórias curtas, a maioria para revistas masculinas. Como é relatado na introdução de Carrie, a estranha, se um de seus filhos ficasse resfriado, Tabitha brincava, "Rápido, Steve, pense em um monstro."
  
Classificação:

Até mais!

                                                                                                                                    

4 comentários :

  1. Este é sem sombra de dúvidas um dos meus mais desejados livros! Ainda tenho esperança de ter ele em mãos!
    Desde que vi a nova versão no cinema, me apaixonei ainda mais pela história.
    Pois no filme deste ano, só é "mostrada" a parte onde eles eram crianças. A filmagem deles adultos, só no segundo filme que ainda virá futuramente.
    Sou apaixonada pelo Mestre King e isso que ele faz com a gente, de nos colocar no enredo, não pelo medo, pelos sustos, mas sim, pela imaginação, é o nosso psicológico que ele tomar para si.
    Adorei a resenha e espero ansiosa para poder ler!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Que bom que vc gostou, pois esse livro ele é até divertido, bem a la King que amo! E o filme foi um espetaculoso!Já assistiu?
    Parabéns pela resenha.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nada do King, e toda vez que tento me sinto travada ou encontro algo mais leve pra ler.Já comecei uns dois livros que não consigo dar continuidade, e quando vejo eles livros enormes como It me dá até medo. Quem sabe um dia eu não me livre disso kkk

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Do King só li Carrie a Estranha (amo) mas não tenho vontade de ler nem de ver o filme, acho que tem hype demais nas histórias dele...

    ResponderExcluir

Agradecemos por comentar! ^_^